27 de fevereiro de 2014

Enchente já afeta a economia de Rondônia

O Porto da Cargil foi fechado por conta da cheia
A cheia no rio Madeira começa a mudar o rumo da economia de Rondônia. Por conta do volume de água que atinge o rio, várias propriedades rurais localizadas nos municípios de Nova Mamoré e Porto Velho foram tomadas pela enchente. Frigoríficos localizados na região da Ponta do Abunã, divisa de Rondônia com o Acre, suspenderam o abate de boi na semana passada.
Pecuaristas estão isolados em suas propriedades rurais. O transporte de gado nesse período é bastante complicado por conta também do inverno amazônico. A BR-364, no trecho Porto Velho-Rio Branco, está intransitável e a Polícia Rodoviária Federal, decidiu proibir o trânsito de carretas por conta do volume de água (78 cm) acima do nível da BR. Sem estradas, não existe como escoar a produção agrícola. Ainda nesse cenário de muita água, não tem como vender o gado. Com isso, o dinheiro não circula e os municípios vão perdendo receita.
Apesar de não haver registro de mortes em decorrentes da enchente em Porto Velho e Nova Mamoré, o nível do rio Madeira sobe por dia 8 cm, o que significa muito para os especialistas sobre o assunto. Para não deixar a população desabastecida com combustível, caminhoneiros resolveram optar por uma via alternativa passando pela região de União Bandeirantes. Em decorrência do grande fluxo de carretas, a viagem se tornou bastante arriscada e uma fila de mais de 50 carretas se formou nessa linha alternativa.

Nova Mamoré e Porto Velho são cidades estratégicas na pecuária e produção de leite. O município de Porto Velho, segundo revelou o último IBGE, está no ranking do sexto maior PIB agrícola do Brasil, título esse que pode ficar ameaçado em consequência da intensa cheia histórica.


A área territorial de Porto Velho é maior que o Estado de Alagoas. A população ribeirinha também tem participação importante no PIB Agrícola, principalmente na produção de milho, mandioca, melancia, banana e maracujá. A ajuda de R$ 600 mil, anunciada na terça-feira pelo Ministério da Integração, não vai mudar o cenário nebuloso da nossa economia.

Rondônia, um novo celeiro de grãos

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgou ontem o quinto acompanhamento da safra brasileira 2013/2014. Esse relatório é resultado de um trabalho desenvolvidos por técnicos das Superintendências Regionais. Eles estiveram a campo com o objetivo de realizar entrevistas e aplicarem questionários aos agrônomos e técnicos de Cooperativas, Secretarias de Agricultura, órgãos de Assistência Técnica e Extensão Rural (oficiais e privados), agentes financeiros e revendedores de insumos.
Na Região Norte, Rondônia surge como terceiro maior produtor de grãos, perdendo para o Estado do Tocantins, cuja previsão dos técnicos é continuar liderando na produção de soja. Estimativas divulgadas pela Conab indicam que o Tocantins terá esse ano um incremento de 28,4% na produção de grãos. Rondônia, segundo levantamento, a estimativa é de crescer 13,2, o que significa dizer que estaremos produzido este ano mais de 129 mil toneladas de grãos.
Hoje Rondônia produz algo em torno de 1 milhão e 200 mil toneladas de grãos (arroz, milho, feijão e soja). A capacidade de armazenagem da produção de alimentos no Estado está em torno de 800 mil. Para se ter uma ideia da produção de Rondônia, se fosse para armazenar tudo o que se produz, faltaria armazém. Ocorre que a soja colhida em Rondônia é transportada imediatamente ao Porto Graneleiro de Porto Velho e depois segue para o Porto de Itacoatiara, no Amazonas.

Em Rondônia, devido ao inverno amazônico, a colheita de feijão acontece no mês de agosto. O milho também tem outro período de colheita. Cerejeiras, no Sul de Estado, está se tornando um dos grandes produtores de soja. Empresários de São Paulo estão investindo na região e acreditam no surgimento da nova fronteira agrícola rondoniense.


Dados da Conab revelam que o Brasil está próximo de se tornar o maior produtor de soja do mundo e esse ano deve bater mais um recorde de produção, ultrapassando os Estados Unidos. Rondônia, sem sombra de dúvida, terá uma parcela importante na conquista desse título.

25 de fevereiro de 2014

Porto de Porto Velho é fechado e transporte de soja do MT fica comprometido

Transporte de soja no Madeira está comprometido
Porto Velho, Rondônia - A Sociedade de Portos e Hidrovias do Estado de Rondônia (SOPH) suspendeu a partir de hoje, às 12h, o transporte de soja pelo Porto de Porto Velho. Em plena safra, o terminal vem operando 18 mil toneladas/dia dos grãos - equivalente à carga de 418 carretas - que seguem da Capital de Rondônia para o porto de Itacoatiara, no Amazonas, e o mercado externo.

O diretor-presidente da Soph, José Ribamar da Cruz Oliveira, alega que a marca histórica de 18,48 metros, registrada ontem, ameaça a segurança no embarque das balsas, que é feito com um sistema de esteiras no cais flutuante. Já a rampa ro-ro continua operando o transporte de combustível, que foi transferido dos portos privados localizados ao longo da estrada do Belmont. As informações são do diretor administrativo financeiro da Soph, Leudo Buriti.

Em ofício enviado à Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários), Secretaria Especial de Portos (SEP) da Presidência da República, Casa Civil do Governo do Estado, Delegacia Fluvial, Hermasa, (empresa responsável pelo transporte de soja) e demais operadores do transporte de grãos, o diretor presidente explica que a decisão de paralisar "toda e qualquer operação portuária realizada no ponto de atracação do cais flutuante", deve-se ao grande volume de água do Madeira, que aumentou consideravelmente a força da correnteza, chegando a 9,30 nós. O rio Madeira é tido como um dos mais rápidos do mundo, sendo que a força da correnteza na época da cheia varia em torno de 5 nós.

Chuvas estão longe de parar

A cheia do rio, provocada por fortes chuvas nas cabeceiras do rio Madeira, na região dos Andes, já é maior do que a de 1997, quando o rio chegou a medir 17,55 metros, em abril daquele ano, mês correspondente ao final do período chuvoso. Já neste mês de fevereiro de 2014, o rio está 2,96 metros acima do que foi registrado em 1997, sendo que ainda há a expectativa de um mês de chuvas e os serviços meteorológicos anunciam chuvas abundantes no período. Outro agravante é o aumento da força do fenômeno dos banzeiros (sucessão de pequenas ondas formadas naturalmente ou por embarcações quando em deslocamento).

A paralisação da rampa flutuante foi decretada por tempo indeterminado, até que haja uma redução do volume de água do Madeira. A medida "visa re resguardar os princípios da operação portuária que são: regularidade, eficiência e segurança, bem como, o zelo pelo patrimônio público e da vida humana", diz o ofício assinado pelo diretor presidente da Soph.

Fertilizantes e alimentos

Além do transporte de soja, a falta de segurança de operação no cais flutuante também vai impedir o transporte de fertilizantes que chegam em Porto Velho nas balsas que retornam vazias de Itacoatiara. O transporte de cargas gerais pela rampa ro-ro foi suspensa desde o início dos registros recordes da cota do Madeira, prejudicando o transporte de alimentos e outras mercadorias destinadas a Manaus e municípios localizados ao longo do rio Madeira.


A paralisação do transporte de soja, que deverá provocar sérios prejuízos para a balança comercial do Brasil, produtores de soja do noroeste do Mato Grosso e também de Rondônia e demais integrantes da cadeia de produção do grão, poderia ser evitada se tivessem sido feitos investimentos no Porto de Porto Velho, que há mais de 25 anos opera praticamente com a mesma estrutura.  (Ana Aranda - Diário da Amazônia)

LEIA AINDA: 
Dragagem do Madeira atrasa e trava a economia de Rondônia
Exportação de carne de Rondônia cresce 550% 

24 de fevereiro de 2014

Comissão da Câmara Federal vai acompanhar situação da cheia no Madeira

BR-364, que liga Rondônia ao Acre.  Foto:  Sérgio Vale/AC
Porto Velho, Rondônia - O presidente da Câmara Federal, deputado João Henrique Alves (PMDB), deferiu, nesta segunda-feira, requerimento de autoria do deputado Marcos Rogério (PDT-RO), sugerindo a criação de uma Comissão Externa para acompanhar as ações empreendidas pelo governo federal, pelo governo do estado de Rondônia e prefeituras das cidades de Porto Velho, Nova Mamoré e Guajará-Mirim.


Nesta segunda-feira, o nível do rio Madeira, em Porto Velho, atingiu a marca de 18,46 metros. A enchente já desabrigou mais de 1.300 famílias somente na Capital e 110 em Nova Mamoré. A cheia no Madeira é consequência da chuva que atinge a cabeceira dos rios Beni e Madre de Dios, na Bolívia, e a previsão é de encher cada vez mais.

A comissão será composta por parlamentares federais de Rondônia e Acre, estado que também foi atingido pela cheia no Madeira. A BR-364, única estrada de acesso do Acre a Rondônia, foi tomada pela água e o trânsito de carretas no período da noite está suspenso.

 

22 de fevereiro de 2014

Porto Velho e Nova Mamoré são os mais castigados pelas enchentes

Botijas de gás boiam no posto da Fogás, em Porto Velho
Porto Velho, Rondônia - Os municípios de Nova Mamoré e Porto Velho são os mais castigado com a cheia no rio Madeira, em Porto Velho. Falta combustível, gás de cozinha nos comércios, cestas básicas para atender as 110 famílias desalojadas com a enchente. 

Neste sábado, o prefeito de Nova Mamoré, Laerte Queiroz, ao disse que a única ajuda que recebeu foi de kits de medicamentos da Defesa Civil. “Hoje completa uma semana que não recebemos apoio. As famílias necessitam de roupas, alimentos e cestas básicas”, desabafa.

De acordo com o prefeito, os desalojadas estão em uma escola pública e outras foram para casas de parentes. “São mais de 300 pessoas atingidas com a cheia jamais visto na história do município”, disse. Laerte decretou situação de emergência na semana passada e espera ajuda da Defesa Civil.
Ruas foram tomadas pela cheia do rio Madeira

Na manhã de ontem, os prefeitos de Nova Mamoré e Guajará-Mirim, Dúlcio Mendes (PT), participaram em Guajará de uma reunião de emergência e traçar um plano de emergência. “Em função do aumento do nível do rio, a BR-425, que liga Porto Velho ao Vale do Guaporé, foi tomada pela água, isolando o município. Já começa a faltar alimentos nos supermercados e a cidade está sem combustível a dois dias”, disse o petista.

Ontem, a Prefeitura, através da Secretária Municipal de Cultura, Esporte e Turismo emitiu nota comunicando que em virtude da situação de emergência em que se encontra a cidade, o governo municipal, os órgãos de segurança e as agremiações carnavalescas decidiram adiar os festejos de Carnaval.


Mercado invadido pela água em Porto Velho
A polícia rodoviária federal interditou o trecho na ponte sobre o rio Araras,na BR-425, próximo a Nova Mamoré. A ponte foi tomada pela água, que com a força da correnteza, levou toda a madeira que estava na ponte. A BR-364, única via de acesso ao Estado do Acre, também foi invadida pela água e o trânsito está liberado somente para carretas, das 6 às 18 horas. A noite, segundo informou a Polícia Rodoviária Federal, a rodovia é fechada. 

19 de fevereiro de 2014

Grupo Havan anuncia filial em Porto Velho; loja terá investimento de R$ 40 mi

Nilton Hang, da administração da Havan
Porto Velho, Rondônia - O Grupo Havan vai instalar uma filial na cidade de Porto Velho e a previsão de inauguração da nova loja será no mês de agosto. O anúncio foi feito hoje por Nilton Hang, responsável pela administração do empreendimento. Em coletiva à imprensa, no Teatro Banzeiros, ele explicou, ao lado do prefeito Mauro Nazif (PSB), os detalhes do novo investimento."A loja em Porto Velho será de 16 mil metros quadrados e receberá investimentos de R$ 40 milhões. A previsão de inauguração é em agosto", disse Nilton, destacando que o novo empreendimento será responsável pela geração de 200 novos postos de trabalho na Capital. "Esse namoro com o município começou no final de 2010 durante visita a cidade. Percebemos que Porto Velho tem um varejo pujante e grandes empresas estão instaladas na Capital", justificou. 

Prefeito Mauro Nazif e secretários municipais
Ao desejar as boas vindas ao empreendimento, o prefeito enfatizou a importância da geração de empregos. "Quem ganha com isso é o município. A partir do momento que a empresa se instala, há uma geração de renda e recolhimentos de impostos. Todo esse processo serve para atrair outros investimentos. Uma empresa traz outra empresa", disse o Nazif.
A Havan é uma rede de lojas com 65 filiais, distribuídas pelas regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste, e que agora passa a investir na região Norte, sendo Porto Velho a primeira capital a receber suas instalações. A loja será montada na Avenida Governador Jorge Teixeira, 2.900, ao lado da sede da empresa Eucatur.


"Em conformidade à sua tradição, a loja erguerá uma réplica da Estátua da Liberdade, com 35 metros de altura, e atenderá aos clientes entre às 10 da manhã às 22 horas, diariamente, incluindo fins de semanas e feriados. Mais de 100 mil itens devem compor seu estoque, incluindo moda feminina, masculina e infantil, utilidades domésticas, eletroeletrônicos, camping, além de outros", disse Nilton.


A solenidade de apresentação do lançamento contou com a presença do presidente da Câmara de Vereadores, Allan Queiroz (PSDB), vereador Jair Montes (sem partido) e secretários municipais.

18 de fevereiro de 2014

Basa financia dois shopping em Rondônia

Valmir Rossi, Confúcio Moura e Edmar Souza ( Roni Carvalho)
Porto Velho, Rondônia - Com o objetivo de impulsionar os investimentos no Estado, o Banco da Amazônia (Basa) deu aval ao processo de análise de projetos em Rondônia que somam R$ 245 milhões. 

O segundo passo é a assinatura do crédito e a liberação do dinheiro. Com o valor aplicado, segundo o presidente do Basa, Valmir Rossi, será permitido gerar cinco mil novos postos de trabalhos no Estado.
Entre os projetos que receberam sinal verde da instituição bancária estão a construção de um shopping na cidade de Ji-Paraná e outro no município de Cacoal. “Pretendemos iniciar na cidade de Ji-Paraná a construção do shopping ainda este semestre”, disse o empresário Luis Bernardi. No ano passado, o Basa financiou a expansão do Porto Velho Shopping, na Capital.

Também foram autorizados a análise de projetos para a empresa Budny construir uma fábrica de tratores na cidade de Ji-Paraná. O empresário João Gonçalves, proprietário do supermercado Irmãos Gonçalves, também recebeu carta para análise de financiamento. O dinheiro será aplicado na ampliação de lojas na Capital.

O ato de assinatura das cartas de créditos aconteceu ontem em Porto Velho, no Palácio Presidente Vargas, sede do Governo do Estado. O evento contou com a presença do governador Confúcio Moura (PMDB), superintendente do Basa em Rondônia, Edmar Souza Bernaldino, empresários e secretários de Estado.

De acordo com o presidente do Basa, existem disponível para o empresariado um crédito no valor de R$ 1, bilhão e 20 milhões em Rondônia. O plano de investimento está disponível no site da instituição.

LEIA AINDA: 


12 de fevereiro de 2014

Sebrae de Rondônia está sob intervenção e eleição é suspensa


Porto Velho, Rondônia - O Sebrae de Rondônia sofreu intervenção e o Conselho Deliberativo, presidido por Joana Joanora das Neves e Cícero Alves Noronha Filho, foi destituído por uma comissão nacional do Sebrae. A eleição para eleger novos gestores, prevista para acontecer este mês, também foi suspensa.

Os interventores Mônica Jorge Saliba, Newton de Castro e Carlos Berti Niemeyer desembarcaram na última segunda-feira em Porto Velho e comandam os procedimentos investigatórios. A direção da Federação do Comércio (Fecomércio) disse ontem apoiar a intervenção do Sebrae nacional, tendo inclusive se posicionado várias vezes contra decisões do Sebrae rondoniense.

Entenda o caso


No dia 4 de fevereiro o ex-superintendente do Sebrae-RO, Pedro Teixeira Chaves, teve negado, pela juíza Sandra Silvestre, o pedido de revogação do afastamento do cargo e da proibição de sua entrada naquele órgão. O despacho da juíza, convocada para compor a Corte Estadual de Justiça, foi publicado no Diário da Justiça no mês passado. Teixeira foi preso temporariamente durante a “Operação Feudo”, que teve por objetivo apurar supostos crimes de fraudes de contratações, licitações e desvio de verbas.

LEIA AINDA: 


5 de fevereiro de 2014

DNIT muda, em menos de um ano, diretoria em Rondônia

Porto Velho, Rondônia - A substituição do superintendente do DNIT em Rondônia e Acre foi criticada ontem, em Brasília, pelo senador Acir Gurgacz, no plenário do Senado. “Houve uma substituição do representante do órgão, sem o apoio, sem a conversa de nenhum parlamentar, seja da situação, seja da oposição, do Estado de Rondônia. Simplesmente por ordem do Ministério dos Transportes, houve uma substituição do responsável pelo DNIT”, declarou o parlamentar.
Para Acir Gurgacz, o superintendente anterior que estava no cargo “era uma pessoa técnica, sem nenhuma influência política assim como eu entendo que devem ser os cargos técnicos, mas infelizmente houve uma substituição completamente política”. O próprio senador afirmou que veio da cúpula do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) a informação sobre a ordem para a substituição: “A ordem veio do Ministério dos Transportes, parece que alguém do Ministério quis mudar porque talvez a pressão em cima das empreiteiras para fazer uma obra bem feita, para fazer uma obra de melhor qualidade estava atrapalhando alguém”, denunciou Acir.
O parlamentar fez diversas denúncias no ano passado sobre trabalhos mal feitos de recuperação na BR-364. Em duas ocasiões teve a companhia do próprio diretor do DNIT em diligências para averiguar irregularidades das obras. “O André Reitz do Valle, o superintendente anterior, fez um ótimo trabalho recebendo as nossas denúncias e puxando as empresas pela responsabilidade. e vou continuar a minha fiscalização com relação à execução das obras de infraestrutura no meu Estado, não só no meu estado, mas em todo o país, mas que não aconteça um retrocesso na qualidade das obras do meu Estado de Rondônia que são feitas através do DNIT”, afirmou Acir.


Fiscalização


Não é apenas o senador Acir quem está de olho no trabalho irregular que vem sendo feito por empresas que ganharam licitação para fazer a restauração da BR-364. Desde o dia 11 de novembro do ano passado, quando o parlamentar publicou em suas redes sociais fotos em que denunciava camada irregular de asfalto na rodovia, várias pessoas têm entrado em contato para também fazer denúncias pontuais de trabalhos mal feitos na rodovia.
Ontem mesmo, o professor Ronaldo Gaspar, 62 anos, morador de Jaru, entrou em contato com o gabinete em Brasília e citou o caso do trecho entre Ouro Preto e Ji-Paraná. “Estão simplesmente passando asfalto em cima de asfalto, sem preparar, sem escarificar, não adianta nada”, explica, ele que já trabalhou com terraplenagem e asfalto. Gaspar disse que na segunda-feira, voltando de Ji-Paraná, chegou a parar no acostamento junto a trabalhadores que estavam aplicando asfalto na rodovia e criticou o que estava sendo feito. “Eu disse para eles que aquele asfalto não ia durar sequer três meses. E eles simplesmente concordaram comigo!”, desabafou o professor.

4 de fevereiro de 2014

Confúcio mantém suspense sobre projeto de reeleição


Porto Velho, Rondônia - Em entrevista nesta quarta-feira ao Jornal da Rede TV!, de Porto Velho, o governador Confúcio Moura (PMDB) voltou a afirmar que tomará a decisão sobre seu projeto político somente no mês de fevereiro. “Não dei declaração e não participei de reunião com a cúpula do PMDB, como chegou a ser noticiado. Esse meu adiamento sobre o projeto de reeleição é realmente por falta de uma definição. Vamos deixar para anunciar no final do mês de fevereiro sobre a posição de ser ou não pré-candidato à reeleição”, explicou.
Para o governador, o estado passa por um processo de mudança com mais de 40 obras na Capital e interior do Estado. “O momento requer preocupação com as ações de governo. Temos muito prazo para decidir sobre projeto político e não vou antecipar minha posição. Muita água vai rolar ainda”.

Sobre os comentários, Confúcio garantiu que tudo não passa de especulação e suposições. “Qualquer um que está na mídia pode dizer que é candidato e depois anunciar desistência do processo eleitoral”. Confúcio não descartou a possibilidade prolongar por mais tempo a sua decisão. “ Até o dia 6 de junho é o momento certo para oficializar. Não vou antecipar. Tudo não passa de fofoca”, afirmou.  

Veja o vídeo: 
video



PDT reafirma apoio à reeleição de Confúcio Moura

O presidente regional do PDT, senador Acir Gurgacz, reafirmou na tarde de hoje, em Brasília, o apoio ao projeto de reeleição do governador Confúcio Moura (PMDB) e disse que em time vitorioso “não se mexe”. “Estaremos juntos nas eleições de outubro e vamos repetir a aliança que resultou com a vitória nas urnas de Confúcio Moura e do vice-governador Airton Gurgacz”.